Notícias Jurídicas

   

Trabalhador do sexo masculino não tem descanso antes de hora extra

O princípio da isonomia não pode ser alegado por um homem que quer o descanso de 15 minutos antes do início das horas extras, dado às mulheres. A norma é estabelecida no artigo 384 da CLT. Com esse entendimento, a 4ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho julgou improcedente o pedido de um eletricista que pedia o intervalo.
02/08/2011 | Fonte: Consultor Jurídico.

O princípio da isonomia não pode ser alegado por um homem que quer o descanso de 15 minutos antes do início das horas extras, dado às mulheres. A norma é estabelecida no artigo 384 da CLT. Com esse entendimento, a 4ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho julgou improcedente o pedido de um eletricista que pedia o intervalo.

Ele foi contratado em 2005 pela Selt Engenharia para fazer a manutenção da rede elétrica da Eletropaulo. Foi demitido em 2006 e entrou com reclamação trabalhista. Exigia pagamento de horas extras, gratificação por trabalhar dirigindo e a isonomia no descanso de 15 minutos antes do cumprimento das horas extras.

A pausa chegou a ser estendia aos homens pelo Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, em São Paulo. O colegiado entendeu que dar o benefício somente às mulheres era prática discriminatória. O TST, no entanto, decidiu que o Regional violou o artigo 5º, inciso I, da Constituição Federal ao conceder o intervalo a um homem: “homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição”.

Segundo o relator do caso no TST, ministro Fernando Enzo Ono, “não se pode invocar o princípio da isonomia para igualar homens e mulheres indiscriminadamente”. Ele afirmou que a própria Constituição prevê exceções para esses casos. Para ele, devem-se entender as diferenças físicas entre homens e mulheres, “motivo pelo qual é impossível estender tal direito [o descanso] na forma pretendida pelo trabalhador”.

Diferenciar os diferentes
Ono lembrou um processo que questionou a constitucionalidade do artigo 384 da CLT, que serviu de base para a petição do eletricista. Naquela ocasião, o minsitro Ives Gandra lembrou que a constituinte de 1988 considerou haver maior desgaste feminino do que masculino no trabalho. Até por isso foram estabelecidas condições diferentes de aposentadoria e de licença maternidade e paternidade. O artigo, portanto, é constitucional.

Àquela época, Ives Gandra atestou que as mulheres trabalhadoras “estão submetidas a dupla jornada de trabalho, pois ainda realizam as atividades domésticas” quando chegam em casa. Concluiu, então, que era o caso de se tratar “desigualmente os desiguais na medida de suas desigualdades”, por causa do “ônus da dupla missão”. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.


Mais notícias do Malheiros Advogados Associados Veja a lista completa de notícias do Malheiros Advogados Associados

Nossos Serviços: Malheiros Advogados Associados

Relações de Consumo
Consultoria e assessoria jurídicas nos conflitos de interesse entre o fornecedor e o consumidor de bens e serviços. Criação, revisão e aprimoramento de contratos comerciais para adequação às normas imperativas do Código de Defesa do Consumidor.

Conheça todos os serviços do Malheiros Advogados Associados

AEA

Rua 18-b, nº45, 5º andar, Vila Santa Cecília, CEP: 27260-100 Volta Redonda - RJ Tel: +55 (24) 2107-8444

Dúvidas Frequentes
Todos os direitos reservados - Copyrights 2014

Desenvolvido por